terça-feira, 6 de novembro de 2012

A MONTANHA E O RIO 35º CAPITULO:

SHENTO
 
Os óculos de fundo de garrafa do Dr. Yi-Yi faziam seus olhos, que não paravam quietos, parecerem menores, como o de quem estivesse eternamente despertando, mas nunca despertasse efetivamente, acrescentando um ar de inocência ao cientista de trinta e poucos anos. Com seu hábito de falar sozinho e fazer amizade com as árvores, que cumprimentava todas as manhãs a caminho do seu escritório, o dr. Yi-YI era considerado um membro estranho, mas devotado, daquele campo fértil, repleto de ogivas nucleares.
Ele surpreendeu a todos ao assinar uma solicitação pedindo para tornar-se membro do partido comunista, quando as afiliações haviam se reduzido a um punhado insignificante de gente.. Ainda mais surpreendente foi sua chorosa cerimônia e o voto de todo o seu salário ao partido. Ninguém se deu conta de que sua devoção fervorosa a uma coisa do passado indicava um problema mental do tamanho do desfiladeiro de um rio. Ele jurava que, um dia, uma de suas bombas explodiria os russos, que haviam tomado as terras do seu avô, na região Nordeste do país. Ele destruiria as ilhas do Japão, cujos soldados violaram sua avó no Estupro de Nanking e incomodaria os americanos que encheram de balas a cabeça de seu pai na Guerra da Coréia, fazendo de Yi-Yi, um órfão.
Ele certamente não ficou satisfeito quando seu comandante decidiu abrir a base nuclear como plataforma de lançamento de foguetes para os mesmos países que estupraram, roubaram e destruiram a sua família. Permaneceu em seu escritório durante dias, sem comer, sem dormir, delirando sobre a genuina guerra nuclear total. Mas seua sonhos terminaram quando ele leu um relatório informando que a China fazia parte do Tratado de Ñão Proliferação Nuclear, um acordo assinado por muitos países, porém, sem a pretensão de ser aplicado por nenhum deles. Vomitou até as tripas e ficou com a garganta arranhada, sentindo muita dor e odiando tudo. Sua maldita úlcera se agravou, causando uma grave hemorragia interna. Seus companheiros chamaram uma ambulância e uma alma turbulenta se acalmou durante uma temporada tranquila num sanatório à beira mar., onde ele passou os dias olhando, melancolicamente para o oceano.
Quando nos encontramos, durante a visita de inspeção, ele viu que falávamos a mesma língua e que nossos corações batiam no mesmo rítmo. Meus planos clandestinos encaichavam-se perfeitamente a existência sorrateira de Yi-Yi. Em seu relatório semanal, ele listava todos os oficiais não confiáveis que aceitavam trabalhos por fora e os cientistas negligentes que ficavam sentados, jogando pôquer no silêncio do depósito nuclear subterrâneo. Quando liguei perguntando pela localização de seu comandante, Yi-Yi prometeu que iria até o fundo das coisas e foi. Desceu até os silos, através de uma passagem secretae esgueirou-se por trás da cortina do centro de comando do depósito, onde imagens de todas as instalações apareciam nos monitores. Lá, ele viu oito homens reunidos em segredo. Mas o inesperado nono rosto que ele descreveu me apunhalou o coração. Meu maldito pai, finalmente o encontrei.
Adiei um pouco informar sobre essa reunião secreta ao presidente. Respirei fundo para me acalmar e então disquei o número do meu jovem general em Fujian e dei uma ordem simples. _Separe todos os arquivos que você tem sobre Ding Long.
Na tarde seguinte, recebi o volumoso fac-simile da lista de crimes do ex-general. Meu coração se apertou enquanto eu dava uma olhada rápida no resumo. Marchei até a ala presidencial e inclinei a cabeça para os guardas, que me fizeram continência. _Há mais alguém na sala, coronel. _Faça-o ir embora, se puder. _Sim, coronel. O guarda entrou no escritório. Após um momento, a porta se abriu e revelou o presidente em sua cadeira de rodas, um pouco perturbado pela intromissão. _É melhor você ter algo de muito importante para me dizer, meu filho. Disse ele. _Eu nunca teria perturbado sua reunião com o mestre de xadrez se não fosse por um motivo muito importante. _E o que seria mais importante do que o meu jogo de xadrez? Pode me dizer, meu rapaz?
Empurrei a cadeira de rodas do velho para trás  de sua pesada mesa que representava o poder. Ela, um dia, pertencera ao Imperador Ch'ien-lung, da dinastia Ch'ing. _Uma reunião secreta foi realizada no silo Número oito, em Lanzhou, ontem a noite. _Quem estava presente? _Seus oito comandantes regionais. _Reunindo-se as escondidas? E do que se tratava? _Um encontro com seu velho amigo, o general Ding Long. Um fotógrafo da polícia de Beijing estava lá para mostrar a Ding Long, uma certa foto antiga. O presidente remexeu-se desconfortavelmente em sua cadeira de rodas. _Algumas coisas custam a morrer. _Algumas coisas nunca morrem.
Heng Tu agarrou as rodas de sua cadeira e girou-se para encarar a janela, que emoldurava o sol poente. _Você sempre me surpreende, meu filho. O que devemos fazer com relação a isso? _Tenho uma rede de pessoas vigiando todo o clã Long. Ding Long tem se preparado para retornar desde o momento em que foi banido para Fujian. A família Long tem estado ocupada construindo um império. O Banco Litorâneo, encabeçado pelo velho Long, tem um patrimônio total de dois milhões de iuanes. _Onde ele conseguiu o dinheiro para começar esse negócio? O velho banqueiro deve ter roubado aqueles vinte milhões de dólares. _Vamos examinar isso novamente, mas minhas fontes revelaram que o velho Long tem um sócio oculto, que está sendo representado por uma ex-gerente de banco estatal chamada Lena Tsai. há outras notícias perturbadoras. O Banco Litorâneo financia todas as atividades de Ding Long. Ele começou inicialmente com algumas fábricas, mas agora entrou no ramo de projetos militares e de infra-estrutura, negociando com armas, comprando nossos velhos aviões e adquirindo usinas elétricas. Sua fortuna total está estimada em torno de cem milhões de iuanes. Todos os seus funcionários são veteranos do Exército que ainda o chamam de general. A CIA o considera um possível traficante de armas no Triangulo Dourado no mar do sul da China. Pode ser que ele tenha adquirido mísseis necleares do nosso arsenal de Lanzhou. _Jogue uma rede para pescar todos eles. Ordenou Heng Tu _Mas lembre-se, soldados furiosos são inimigos difíceis.
Meus jovens generais agora passavam de cinquenta. Eles penetravam horizontal e verticalmente em todos os níveis das forças armadas. As cidades importantes eram o meu foco, mas nunca deixava surgirem sintomas de quaisquer males sem tomar precauções, mesmo nas menores cidades. Meus jovens generais eram como morcegos. Voavam baixo, caçavam a presa e depois batiam suas asas fantasmagóricas, guinchando de volta a escuridão.
A reunião conspiratória de todos os comandantes regionais no silo, apenas intensificou as atividades de meus morcegos por todo o país. Eu havia ordenado que todos os comandantes fossem vigiados e grampeados com aparelhos de escuta e se necessário, eliminados. Mas esta seria uma última opção, em caso de extrema necessidade.
Eu sabia de todos os passos que cada um dos oito homens dava. Nenhum detalhe passava despercebido: o que comiam, com quem dormiam e é claro, suas longas conversas telefônicas.
No topo  da linha de minha vigilância estava Ding Long. Eu me informei sobre cada detalhe dos negócios dos Long: sua compra de um aeroporto militar, seu comércio de armas, seus lucros clandestinos e seus subornos. Quanto mais sabia sobre Ding Long, mais o odiava. Quanto mais o odiava, mais desejava saber. A obsessão levava-me a loucura.
Faltando três dias para terminar o proveitoso ano de 1988, tive uma reunião em meu escritório com o tenente Bei, o jovem general de Beijing. Ele era um sujeito alto, com um diploma da Universidade de Beijing, atualmente ocupando um cargo no distrito militar como oficial de propaganda, pois era um homem que tinha jeito com as palavras. _O que causou o seu atraso? Perguntei. _Minhas desculpas coronel. Mas há muitas coisas que esse jovem Long está planejando. _É mesmo! Continue. _Ele obteve um diploma da Universidade de Beijing, onde me formei com louvor. _Como o pai dele. _Rejeitou todas as ofertas de ambicionados cargos governamentais assim que se formou e agora é o presidente da Dragon&Cia., uma holding que também tem sociedade com o Banco Litorâneo de Fujian, do qual, seu avô é dono e é o sócio oculto de seu pai em seus empreendimentos crescentes na indústria e no comércio. _Como descobriu tudo isso? _Tive que desemaranhar um pouco os fios da meada, mas está tudo nos arquivos da Junta Comercial. Porém, o mais significativo de tudo é que Tan Long vai apresentar em breve uma proposta para construir um complexo monumental em Beijing. _De que tamanho? _Como uma montanha bloqueando o sol. Os mais renomados arquitetos foram contratados e estão fazendo propostas para projetá-lo, incluindo LM.Pei. Esta informação veio de um repórter americano, Howard Ginger, amigo de Tan e meu também. _Você tem algo de bom para usar contra ele? _Certamente. Respondeu ele inclinando bastante a cabeça. _O jovem Long é dono da Editora Mar Azul. _Está publicando livros? _Está. Livros e revistas muito perturbadores. Lixo antigovernamental e literatura pornográfica escrita por autores que estão na lista negra e que nossos editores estatais jamais publicariam. Seu livro mais sensacionalista, A Órfã, lançou a editora e trouxe-lhes uma montanha de dinheiro. Foi escrito por uma moça chamada Sumi Wo, que.... _Você disse Sumi Wo? exclamei asperamente. _Isso mesmo, Sumi Wo. O livro é uma autobiografia sobre sua vida como órfã em Fujian. E fala-se  em adapta-lo para um longa-metragem. Agarrei-me a minha cadeira, sentindo-me meio tonto. _Aconteceu alguma coisa? _Nada. Tem certeza de que o nome da autora é Sumi Wo? _Tenho, ela ficou famosa... _E conseguiria encontrá-la? _Foi por isso que me atrasei. No momento, ela está em Tianjin, escrevendo seu segundo livro. _Encontre-a. Imediatamente.
Minhas palavras foram quase inaudíveis.
 
___________________
 
SE PERDEU ALGUM CAPÍTULO, ENTRE NO MENÚ "CONTOS DE FADAS", LÁ ESTÃO TODOS OS CAPÍTULOS ANTERIORES ARMAZENADOS.



Nenhum comentário:

SOS  AO MUNDO PELA VENEZUELA... Hoje meu post não é sobre reallytie, desculpem-me, hoje estou inteira solidária com a Venezuela...